SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Governo está convicto que consórcio do Maracanã não cumpriu contrapartidas, diz secretário

O secretário de Estado de Fazenda do Rio, Luiz Claudio Rodrigues de Carvalho, em entrevista ao CBN Rio, falou sobre a situação do Maracanã e os impactos para os cofres do estado com o rompimento de contrato com a Odebrecht. A concessionária cobra do Estado um prejuízo de mais de R$ 200 milhões. O governo entende que consórcio está inadimplente em R$ 38 milhões.

‘A situação é bastante emblemática. Existe a demanda da concessionária e o estado do Rio entende que ela está inadimplente. Essa é uma discussão que deve ser resolvida por arbitragem’. Ele acrescentou que, no momento, não há impactos no caixa do estado porque a situação não se resolveu. ‘O fato é que o governo está convicto de revogar a concessão por entender que a concessionária não cumpriu as contrapartidas’.
Sobre o diagnóstico das contas do Rio, ele disse que o estado ainda enfrenta situação difícil. A crise não é mais aguda, com atrasos de salários, mas situação ainda é muito delicada. ‘Todos os esforços são para manter as contas do exercício de 2019 pagas’.
O secretário disse que são R$ 152 bilhões com dividas administradas pela União ou com garantias da União. Essas dívidas não estão sendo pagar por causa do regime de recuperação fiscal. O regime de recuperação fiscal tem duração de três anos, prorrogáveis por mais três. O regime começou em setembro de 2017 e o primeiro ciclo se encerra em setembro de 2020. Ele disse que a renovação será necessária para o Rio. 
O secretário também falou sobre a Cedae que está em garantia de um empréstimo feito no regime de recuperação fiscal. O secretário explicou que privatização não é condição para que o estado continue no regime. A condição é o pagamento da dívida. 
Luiz Claudio Rodrigues de Carvalho disse que o e Estado ainda não tem condições para antecipar pagamentos para início do mês e que o esforço está sendo para manter os salários em dia. Para isso, ele destacou ser preciso uma folga de caixa, o que não deve ocorrer até o final do ano.

RÁDIO CBN RIO

Fontes de Notícias :