SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Cabral dá bolo em empresários

Impasse com bombeiros faz governador faltar a evento da Petrobras na Firjan

Na manhã de ontem, o governador do Rio, Sérgio Cabral, faltou a reunião de empresários da cadeia produtiva de óleo e gás e a direção da Petrobras na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). Estavam presentes cerca de 400 pessoas, entre empresários, representantes de entidades de classe e de governo. Oficialmente, o governo estadual informou, sem dar detalhes, que um compromisso interno de última hora inviabilizou a participação do governador no evento. Fontes disseram que o agravamento do impasse com os bombeiros teria sido a real razão para a ausência.

A Petrobras já realizou eventos semelhantes em oito estados brasileiros em que vai investir, além do Rio. Os governadores compareceram a todos eles, segundo a estatal. Apenas em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin não pôde estar presente à reunião, mas almoçou em seguida com o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, no Palácio dos Bandeirantes. Gabrielli liderou todos os encontros, onde apresentou o plano de investimentos da companhia e as oportunidades de negócios para os fornecedores.

A data do encontro foi acertada há um mês e meio. A princípio, Cabral imaginou que, mesmo diante das complicadas negociações com os bombeiros, conseguiria ir ao evento. Quando percebeu que ficaria mais tempo envolvido com a questão, decidiu enviar representantes. Devido ao imprevisto, os empresários levaram um chá de cadeira de uma hora Os secretários Regis Fichtner (Casa Civil), Júlio Bueno (Desenvolvimento) e Renato Villela (Fazenda) representaram o governador.

O vice-presidente da Firjan Raul Samson lamentou a ausência de Cabral, pois "em eventos como esse se consegue um compromisso (de investimento) mais formal". Também lamentou o atraso na divulgação do Plano de Negócios 2011-2015 da Petrobras. Ele queria saber como está o projeto de fazer de Itaguaí (RJ) a base operacional do pré-sal. Mas Gabrielli não deu detalhes, alegando que depende da aprovação do plano pelo Conselho de Administração.
 

09/06/2011

Fontes de Notícias :